Cerca de 350 homens e mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) que chegaram ontem em Cuiabá para iniciar as Jornadas de Lutas em mais um abril acabam de fechar a BR 163, no Trevo do Lagarto, onde estão acampados.
Todo ano, nesse mês, o Movimento, em todo o país, realiza atos e protestos para lembrar o Massacre de Eldorado dos Carajás em que 19 sem-terra foram assassinados por pistoleiros. O Massacre aconteceu no Pará, há 15 anos; os assassinos continuam impunes.
Os militantes que chegaram de várias regiões do Estado – Cláudia, Sinop, União do Sul, Araputanga, Mirassol, Rosário Oeste e Rondonópolis – pretendem colocar a reforma agrária em pauta nas duas cidades, Cuiabá e Várzea Grande.

VEJA A PAUTA DO MOVIMENTO:
–        Cumprimento das metas do Plano Nacional de Reforma Agrária de 2005 – Assentar 100 mil famílias ano;
–        Revisão dos índices de produtividade. O Atual índice é de 1975;
–        Reestruturação e fortalecimento do INCRA com valorização dos servidores e concurso público urgente;
–        Mais Qualidade para os Assentamentos – Escolas, saúde, lazer etc..
–        Plano Emergencial para Assentar 90 mil famílias que estão acampadas vivendo em péssimas condições;
–        Aumento de recursos para o PRONERA;
–        Renegociação das dívidas dos assentados e liberação de créditos para as famílias assentadas
–        Construção de Agroindústrias cooperativadas nos assentamentos;
–        Incentivo a Produção agroecológica
–        Universalizar a Assistência Técnica para todas as famílias assentadas.

Principais pontos de pauta em Mato Grosso:

–        Assentamento imediato de 2.500 famílias
–        Infraestrutura básica para os assentamentos, como estradas, postos de saúde da família, melhoria as escolas do campo e principalmente água potável.
–        Assistência técnica para todas as famílias assentadas
–        Cursos técnicos e superiores para assentados e seus filhos/as
–        Reorganização do INCRA com pessoas no comando que tenham mais disposição de resolver os problemas dos acampamentos e assentamentos, que tenham mais capacidade técnica e administrativa e vontade política de negociar com os movimentos sociais, governo do estado e prefeitos.

http://feeds.feedburner.com/blogdasandracarvalho
0 0 vote
Article Rating
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments