Muitas escolas da rede privada de ensino de Mato Grosso reduziram a sua política de inclusão social para aumentar a média de notas no Exame de Ensino Médio, o ENEM. Com isso, praticam a discriminação sócio/econômica com a finalidade única de obter uma classificação melhor entre as escolas do estado na média de notas do ENEM.

Na prática, as escolas acabaram o pré-vestibular e o Ensino Médio Noturno por considerar que os alunos que freqüentam este período não têm tempo de estudar, porque trabalham durante o dia, e porque a maioria é oriunda de escolas da rede pública e não teriam base para serem aprovados no Enem ou nos vestibulares.

Além disso, a maioria dos alunos que estudam a noite não tem poder aquisitivo para pagar as mensalidades que viabilizem financeiramente a escola. Portanto, estes alunos contribuiriam para reduzir a média de notas no ENEM e, consequentemente, a classificação da escola entre as melhores notas no processo seletivo.
CIN mantém forte política de inclusão social.

Para o professor Francisco Carlos Oliveira, diretor superintendente do Colégio Isaac Newton,  liderar nos vestibulares e no ENEM é ter maior número de aprovações, principalmente nos cursos mais concorridos e não necessariamente ter a maior media no ENEM.
“O CIN é líder em aprovações nos vestibulares/ENEM e só não possui a maior média no ENEM/MT devido a forte política de inclusão social ao funcionar o pré-vestibular  e terceirão noturno com bolsas integrais e meia bolsa de estudo para a maioria dos alunos”, observa o professor.
http://feeds.feedburner.com/blogdasandracarvalho
0 0 votes
Article Rating
Se inscrever
Notificação de
guest
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Anônimo
Anônimo
10 anos atrás

muito legal adoreii!!!!!

José Carlos Caires
José Carlos Caires
10 anos atrás

Parabéns Sandra Carvalho!

Postagem pertinente, aguda e real – como o tema exige. Será que voltamos à era dos processos de admissão? Agora com roupa nova – via avaliação –, mas dotado do mesmo princípio: separar uns dos outros quando do vislumbre da possibilidade de frequentar uma escola do governo – aquelas dotadas de qualidade!?
Esse é o "retrato ativo" da chamada – INCLUSÃO EXCLUSIVA.

José Carlos Caires
Mestrando de Educação pela Universidade Estácio de Sá (UNESA)