Gabriel Novis Neves
Bem antigamente, minha mãe reservava um dia da semana para realizar a faxina da casa onde morávamos.O dia escolhido era o sábado, pois a criançada não tinha aula na escola pública.
Ela determinava para cada filho uma parte da casa para a competente faxina. Havia rodízio, para não prejudicar nenhum faxineiro a permanecer sempre em áreas não nobres. Agora, faxina é um modelo de gestão governamental da Presidência da República Federativa do Brasil.
Quando a Mãe fala em faxina em ministérios, significa, não retirar poeira dos móveis ou limpar os banheiros e, sim, retirar de seus cargos de marajás, em conta-gotas, aqueles que não foram zelosos com o patrimônio do povo brasileiro.
Na primeira faxina feita pela Mãe em um único ministério, 20 – imprescindíveis barnabés até há pouco tempo -, foram sumariamente demitidos “a pedido”.  A casa não ficou lá essas coisas. Ainda há muito entulho por lá e nas suas filiais nos Estados, segundo o zelador do prédio.
O resultado da faxina entusiasmou tanto a Mãe, que já foi programado uma nova limpeza em outro ministério.
 O Transporte não tinha forte retaguarda política. O partido dono do ministério era o médio PR (Partido da República) do Waldemar. Abrigava muitos parlamentares do chamado baixo clero, sendo o recordista de votos da legenda, o famoso palhaço Tiririca.
Quando começar, e se começar, a faxina no Ministério das Minas e Energias do Maranhão, com certeza faltará material de limpeza. É melhor para a saúde política da Mãe não mexer  na casa dos Marimbondos de Fogo do PMDB.
Seria bom para o Brasil, mas o que é bom para o Brasil, não é bom para marimbondos.  Enquanto isso, o Brasil parou. Não se faz nada, e até o nosso futebol parou na Copa da Argentina.  Única coisa que funciona a todo o vapor são as notícias de corrupção no Brasil, que a Mãe herdou como casa arrumada.
Fica a pergunta: quem sujou tanto esses ministérios?
O clima de Brasília não foi. Só pode ter sido o seu último inquilino. Ele que colocou esse pessoal na casa.  Todos têm donos. Seria bom se, nessa faxina, aparecessem, além dos nomes dos demitidos, o de seus padrinhos. Ou ouviremos aquela velha história – adaptada para o momento atual – “Afilhado feio não tem padrinho.”
A hora é da verdade. O Brasil não deve parar e a faxina deve continuar.

Gabriel Novis Neves é ex-jardineiro, médico, fundador e ex-reitor da UFMT.

http://feeds.feedburner.com/blogdasandracarvalho
0 0 vote
Article Rating
Se inscrever
Notificação de
guest
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Anônimo
Anônimo
9 anos atrás

Parabéns ao autor e ao blog.
"A política é como a esfinge da fábula:
devora a todos os que lhe
não decifram os enigmas."
(Antoine Rivarol)
Abraços,
Eliana Crivellari