O início da paralisação de 70% dos atendimentos médicos ambulatoriais em Cuiabá foi suspenso hoje (04). Prevista para começar nesta segunda-feira, a adesão ao movimento paredista foi adiada para a próxima semana, devido a uma pequena falha na publicação do edital de convocação da classe médica da Capital para endossar a greve dos profissionais vinculados ao Governo do Estado, inicialmente deflagrada pelos médicos que atuam nos Hospitais Regionais de Colíder, Sinop, Cáceres e Rondonópolis.

            O edital corrigido deve ser publicado amanhã (05), sendo que uma nova Assembleia será realizada na próxima quinta-feira (07), às 19h, na sede do Sindicato dos Médicos do Estado de Mato Grosso (Sindimed-MT).  Mas, como já deliberado pela categoria na última Assembleia realizada na última quarta-feira (30), a reunião servirá apenas para ratificar a decisão de paralisação por tempo indeterminado.

GREVE – A paralisação teve início no último dia 10, pelo fato de a classe médica discordar do modelo de ‘terceirização’ da saúde pública imposta pelo Estado, que consiste na contratação de Organizações Sociais de Saúde para prestação de serviços. Isso porque a categoria defende melhorias nas condições de trabalho e atendimento à população, a implantação de um Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV), e regularização da função dos profissionais que atuam no Serviço Móvel de Urgência (SAMU), os quais exercem ilegalmente a função de socorrista.

REUNIÃO – Nesta quarta-feira (06), será realizada uma reunião dos membros do Conselho Estadual de Saúde para decidir, em votação colegiada, se fica aprovado ou não o modelo de gestão da saúde. No último encontro, o secretário de Estado de Saúde, Pedro Henry, deixou o evento sob forte vaia de populares
http://feeds.feedburner.com/blogdasandracarvalho
0 0 vote
Article Rating
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments